fbpx

Como lidar com o sobe e desce da vida? 

Já percebeu quanto a nossa cultura se volta para uma fase muito particular da nossa vida? 

Somos ensinados desde muito cedo que existe um período em nossa vida correspondente ao máximo de felicidade que podemos ter. Por algum motivo, esse momento é simultâneo ao nosso pico de produtividade profissional e jovialidade física. Mas isso só aponta para um grave erro de fábrica desse pensamento.

 A FELICIDADE jamais deveria se encontrar em fenômenos externos a nós mesmos.

Isso apenas reforça uma lógica muito disfuncional que utilizamos e que nos gera uma extrema ansiedade, pois passamos a vida acreditando que existe um estágio específico a se chegar (e se manter) para nos sentirmos plenamente satisfeitos.

A consequência disso é um padrão bem desesperado para se obter ou controlar nosso mundo particular, quando, na verdade, deveríamos estar buscando maneiras cada vez mais amplas de compreender a realidade.

Já ouviu a frase “tudo que sobe desce”? É verdade. Mas podemos ser um pouco mais específicos: Tudo sobe, chega a um pico, desce e chega a um fim. E isso serve para absolutamente qualquer coisa, seja ela concreta ou abstrata, boa ou ruim. A diferença está no tempo para essa onda.
Então tristeza e alegria- sobem, descem e passam; juventude e envelhecimento – sobem, descem e passam; amizades ou inimizades – sobem, descem e passam;
Ao compreender esse fenômeno, fica fácil enxergar como nossa FIXAÇÃO em uma aparência jovem, nas pessoas que amamos permanecerem vivas, ou em nossa saúde estar sempre nos trincos nos levar invariavelmente ao sofrimento.

Mas perceba uma coisa, esse desfecho não é necessariamente obrigatório! De fato não podemos obrigar o sol a nascer ou a maça de não amadurecer, mas podemos modificar nossa reação ao que está além do nosso controle, trabalhando a flexibilização do nosso ponto de vista. 

Nossa busca por felicidade em elementos que sempre soubemos serem PASSAGEIROS não é muito diferente de uma dependência química. 

“Se eu passar nesse concurso finalmente serei feliz…” por quanto tempo?

“Se eu diminuir o número da minha calça aí vou ficar tranquilo(a)”… por quanto tempo? 

Claro que é essencial cuidarmos do nosso corpo, família e outros aspectos de nossa vida, mas mais fundamental é reconhecermos a importância que TODAS as etapas de nossas vidas têm. Incluindo aí aquelas que não estão ascendendo, mas sim descendendo. Apesar de não parecer, nenhuma etapa é superior a outra, pois cada uma nos oferece uma experiencia totalmente única! 

Todos nós passamos pela juventude, e escutamos de alguém mais velho como deveríamos aproveitar essa fase. Mas talvez devêssemos endereçar essa sugestão a eles próprios, primeiro porque não são todos que têm o privilégio de envelhecer, e também porque assim como só se é jovem Uma vez, não se envelhece duas.

Pois é, Bom ou Ruim são sempre pontos de vista. Negativo e positivo vem muito mais de um APRENDIZADO do que de uma natureza das coisas. Então aproveite onde você está, sem tentar buscar incessantemente um fluxo contrário ao natural da nossa vida. Todo momento é único, e inteiramente inédito. 

Compartilhe pelo WhatsApp:
WhatsApp chat
X